pexels-photo-100733

Ter tempo é fazer escolhas

Há uns três ou quatro anos um colega disse que seu sogro, que, ao menos na época, era meio que viciado em TV, tinha encontrado uma forma de ter tempo para assistir seus programas. Ele gravava tudo. As novelas, o jornal e o Big Brother. A sacada era pular os comerciais. Confesso que dei um sorriso meio incontido e disse que tinha uma ideia melhor para economizar tempo: não assistir a esses programas.
Dias atrás, assistindo uma apresentação no TED, Laura Vanderkam, que ministra palestras e cursos sobre gerenciamento do tempo usou este mesmo exemplo. E vou usar aqui o argumento dela: até faz sentido agir assim, mas se quer economizar tempo para fazer outra coisa importante, talvez isso não seja a forma mais adequada.

Apesar da minha ironia com o sogro do meu amigo, eu nunca tinha tempo para nada. Embora assistisse pouca TV. Ou numa forma mais enfática. O deboche servia tanto para ele, quanto para mim.

É certo que na época eu não entendia isso até começar a mudar algumas coisas na minha forma de lidar com a vida (se você me acompanha no Medium ou no meu blog pessoal sabe do que estou falando). Há um ano eu não tinha tempo para família, para lazer, para cuidar da saúde, vivia me atrasando em muitos compromissos e alguns trabalhos, que poderiam ter sido feitos num tempo X, levava duas ou três vezes mais tempo.

Bom, antes que achem que sou arrogante a ponto de me dizer que sou o “senhor” do meu tempo, esquece. Ainda me atraso de vez em quando, ainda tenho pouco tempo para algumas coisas e às vezes me perco num trabalho. Mas isso é muito menos frequente do que antes.
E já falei para alguns colegas, sei que sou chato, mas pontualidade para mim é (passou a ser) uma prova de caráter. Se marquei um compromisso com alguém, estarei lá no horário marcado. Se acontecer de me atrasar (o que agora é muito raro) as pessoas saberão com antecedência. O tempo não é só o meu, o tempo das outras pessoas também conta. Isso serve para o trabalho e, para a família e para você. Porque, afinal de contas, você também precisa de tempo para as pessoas que você gosta e para si mesmo.
O tempo para mim mesmo é o que menos tinha por pura procrastinação. Agora consigo ler mais, escrever mais, cuidar da minha saúde, estar mais com a família. E trabalhando mais do que antes.
E se você faz essa simples equação, muita coisa muda na sua mente. E essa é uma das três coisas que quero afirmar neste artigo.
A segunda é uma variação de um mantra de uns anos atrás: “Força, foco é fé”. Nunca gostei muito disso. Eu, que não sou uma pessoa religiosa, troco “fé” por “acreditar naquilo que você quer”. Troco “força” por “disciplina” e “foco” por “planejamento”, mas com direito a revisões e distrações. Eu e o Chico Buarque (e muitas outras pessoas) gostamos de andar à toa para arejar a mente e ter inspiração. Além disso, me proponho, quando dá, a me distrair, a brincar com os filhos, ver vídeos fofinhos ou engraçados e aquele enrosco no texto ou aquela diagramação que não está legal tem soluções encontradas.
Mas para poder fazer isso eu procuro economizar tempo. Por exemplo, nos finais de semana, eu acordo apenas um pouco mais tarde do que nos dias “úteis”. Aí posso escrever textos como esse sem atrapalhar meus trabalhos. Faço exercícios e algumas atividades domésticas ouvindo música (me distraindo) ou assistindo documentários, vídeos no Youtube e palestras do TED. A que citei acima assisti passando roupa. Sim, então dá para ter tempo.
A terceira e última coisa que quero afirmar é: isso serviu para mim. Cada um que se encontra com vontade de economizar tempo para fazer outras coisas tem que rever o que faz com o tempo que tem. E não é fácil, eu sei.
Se fosse fácil eu falaria: leia o livro 7 hábitos de pessoas altamente eficazes. Outro amigo havia me emprestado este livro do Stephen Covey. Passados uns dois dias ele me perguntou se eu estava gostando e eu respondi brincando que achei que a forma mais eficaz que encontrei foi ler apenas os hábitos:
1: Ser Proativo
2: Começar com o Objetivo em Mente
3: Primeiro o Mais Importante
4: Mentalidade Ganha-Ganha
5: Procure Primeiro Compreender, Depois ser Compreendido
6: Criar Sinergia
7: Afinar o Instrumento
“Economizei um tempão e isso é ser eficaz”, brinquei. Ok, depois eu li o livro todo, mas achei que deveria ter ficado no índice mesmo. Porque o método que ele propõe funcionou para ele, se é que funcionou. Acho que cada um tem que encontrar seu tempo de acordo com suas prioridades.
E falando nisso, hoje é domingo. Vou ficar com a família.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *